Pages

A influência do limite de dados na banda larga para as empresas


O anúncio das operadoras em respeito da implementação de franquia da internet nos planos de banda larga pegou muitos usuários de surpresa e não foi vista como uma boa notícia para muitos deles.
As operadoras informaram que seria aplicada uma nova cobrança para quem ultrapassar o limite de dados impostos pelos planos ou o total bloqueio ao uso da internet para quem ultrapasse seu limite e não adquira um pacote adicional.
 

Mas muito se engana quem acha que o limite de dados impostos pelas operadoras prejudicam somente os usuários residenciais. As empresas também sofrerão um grande baque no mercado tecnológico, principalmente o e-commerce.
 
Através da internet, muitas empresas tiveram suas marcas vitalizadas, atingindo um público muito maior do que as campanhas para captar um público para a loja física conseguiam. Isso porque muitas vezes os clientes virtuais não são os mesmos que seriam abordados para a loja física, o que significa que a internet permite atingir um público muito maior e também um público diferente, que normalmente não seria abordado para a loja física.
 
Hoje, o comércio virtual é responsável por grande parte do faturamento, chegando a um valor muito superior ao PIB, de acordo com o IBGE e o varejo tradicional. Ou seja, as pessoas estão comprando mais pela internet.
 
Existem basicamente quatro alternativas de pagamentos online tanto para o e-commerce quanto para empresas que trabalham com o pagamento de serviços pela internet. Os intermediadores que oferecem o meio de pagamento através de uma única integração e um único sistema de gerenciamento; o cartão de crédito que é a modalidade mais utilizada para o pagamento online, e aceito por vários sites; o boleto bancário que é o segundo método mais utilizado para pagamento online; e o débito online, que cresce consideravelmente nos últimos anos para a substituição do boleto bancário.
 
Agora imagine um cliente buscando por um produto ou serviço específico na internet, se depara com sua empresa, que oferece o que ele procura. Na hora de sua aquisição, o cliente precisa passar por uma destas quatro alternativas para efetuar o pagamento do produto ou serviço solicitado. Mas bem na hora de finalizar a compra, o processo é abandonado pelo cliente.
 
Geralmente este tipo de ação gera um dado negativo para as análises da empresa, pois o cliente desistiu do que procurava quase no final do processo. Agora com a franquia da internet banda larga, este abandono nas finalizações de compras será muito maior. E o lado negativo não é nem o abandono da venda, mas os dados negativos da empresa, que não saberá dizer mais se o cliente desistiu da compra por não querer mais o produto ou serviço, ou se o cliente desistiu da compra porque seu plano de banda larga ultrapassou a franquia e sua internet foi bloqueada.
 

Esta hipótese é negativa para a empresa de várias formas. Pois no caso de ser o culpado, a queda da internet do cliente, o mesmo poderá desistir por completo da compra, não adquirindo o pacote adicional para voltar e finalizar a compra e procurando outro meio de conseguir o produto ou serviço, até mesmo em um concorrente.
 
Hoje sabemos que os internautas que efetuam compras online, planejam seus gastos, fazem pesquisa e comparam preços. Mas se na hora H da compra o cliente se depara com uma barreira, como a falta da internet para a finalização da compra, este cliente acaba por optar de outros meios para alcançar seu objetivo, as vezes tendo um tempo a mais para pensar sobre a aquisição que faria e decidindo que esta aquisição não é de grande importância, portanto não é mais necessária.
 
Desta forma, as empresas que investiram e investem no mercado tecnológico perderá grande parte de sua renda e terá grandes prejuízos em campanhas que não surtirão o efeito desejado.
 
Vamos pegar o exemplo de uma empresa que divulga sua marca através de vídeos no YouTube, “o grande vilão” da franquia de dados. Esta empresa terá grande prejuízo em relação ao faturamento esperado com determinada campanha, pois os consumidores serão obrigados a diminuir o consumo de vídeo acessado para que ele não fique sem internet, e assim não fará mais parte do seu público alvo nesta campanha.
 
O e-commerce foi apenas uma maneira que encontramos para demonstrar que o limite de franquia para a banda larga não atingirá só o usuário doméstico, mas também as pequenas, médias e grandes empresas.
 
Tudo será afetado, assim como os jornais digitais, os cursos de graduação e pós-graduação online e diversos outros cursos online, os canais do YouTube, as leituras de informativos, as consultas de decisões, consultas de processos jurídicos, consultas de exames online, e muitas outras plataformas online que hoje interagem diariamente com seus clientes.
 
Mas em contrapartida, as operadoras de banda larga defendem a ideia de que se não optarem pela franquia na banda larga, seus sistemas não suportarão a quantidade de dados consumidos e isso afetaria não só alguns, mas todos os usuários da internet.
 

Neste caso, o que pensar? Como devemos agir neste caso? A Integrate geralmente defende que cada um tenha sua própria opinião e não deseja influenciar ninguém a tomar partido de um lado ou de outro. Mas neste caso em particular, defendemos o usuário da internet em um todo. Pois se as operadoras não conseguem atender a seus clientes e pretende prejudicar alguns com a franquia de dados, porque então o Brasil é um dos países com os planos e banda larga mais caros do mundo?
 
Existe muito que se pensar a respeito, e esperamos que este assunto tenha um final positivo para ambos os lados. Comentem sobre o assunto em nosso blog. Mais ideias levam a melhores decisões.




Autor(a): Carolina Cordoval Melo

Carolina Cordoval Melo - Redatora Web - Integrate Software e Technology

Redatora Web pela empresa Integrate Software e Technology especializada em Inbound Marqueting e Marqueting de Conteúdo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário